Tadeu Vilani - Toda Casa Tem Uma Mãe 1

Tadeu Vilani - Toda Casa Tem Uma Mãe 2

Tadeu Vilani - Toda Casa Tem Uma Mãe 3

Tadeu Vilani - Toda Casa Tem Uma Mãe 4

Tadeu Vilani - Toda Casa Tem Uma Mãe 5

Toda Casa Tem Uma Mãe (serie x 5)

Premio Trabajo Doméstico y Economía del Cuidado

Tadeu Vilani – Toda Casa Tem Uma Mãe

BRASIL


Tadeu Vilani nos presenta su obra

A mãe que leva os filho, que roda ao lado em seu cotidiano, sem medir esforços, e ser mãe cadeirante requer esforços imagináveis, dedicação extra, assim é Adriana, nasceu com deficiência, cuida da casa, cuida da vida, cuida filhos, cuida do cuidado de cuidar os detalhes da família, nada a fará tremer. Lava roupa, torce a vida, dá luz a família, luta todos os dias para não se render, assim é Adriana, mãe de um casal de filhos, mãe que lava louças, estende roupas úmidas ao sol, ela sabe de cada coisa sofrida, ela sabe que tem que ser grande, como a terra a cuidar de seus filhos, ela sabe que de seu peito provém o alimento, tem alma de anjo, sorriso que ovento não leva, assim é Adriana. Fotos feitas no ano de 2012, na cidade de Alvorada, Rio Grande do Sul/Brasil.

Una madre lleva a su hijo, a rueda en el cotidiano, no mide esfuerzos, ser madre en silla de ruedas requiere de esfuerzos inimaginables y dedicación extra. Adriana, nació con discapacidad, cuida la casa, de su hijo y de la familia, nada la hace temblar. Aun cuando no se tenga familia, deben luchar por la vida.

Adriana, madre de un hijo, lava la vajilla, extiende la ropa al sol, ella sabe que cada cosa requiere esfuerzo, ella sabe que tiene que ser grande, como la tierra para cuidar de sus hijos, ella sabe que de su pecho proviene el alimento, tiene alma de ángel, sonrisa que ove no lleva, así es Adriana. Fotos tomadas en el año 2012, en la ciudad de Alvorada, Rio Grande do Sul / Brasil.

 

Justificación del Jurado:

Una serie impactante que muestra que la discapacidad no es un limitante y que el límite lo pone uno mismo. Sin apoyos lastimeros o miradas condescendientes, este trabajo reinstala la dignidad y la fuerza del trabajo de las mujeres cuidadoras. Una excelente narrativa y la elección del blanco y negro nos ayudan a enfocarnos en la textura de los ambientes y  en la parte emotiva de las personas.


Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *